ACNE

A acne é a doença mais comum no consultório de dermatologia. Apesar de comum, tem uma causa complexa, que passa pela glândula sebácea e oleosidade da pele, presença de bactéria (P. acnes), ação hormonal, genética e fatores emocionais.

Ocorre uma alteração na unidade pilossebácea (que é representada pelas glândulas sebáceas conectadas a um folículo piloso) e aparecem os cravos (comedões), que são folículos obstruídos e com acúmulo de sebo. Com a presença da bactéria P. acnes ocorre irritação e inflamação, que aparece como as espinhas (pústulas) e lesões nódulo-císticas (espinhas internas).

 

A acne pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum na adolescência, devido à ação hormonal acentuada dessa fase. Acomete cerca de 60% das mulheres e 70% dos homens na puberdade. Nessa fase, geralmente é mais grave no sexo masculino, porém tende a ser mais persistente no sexo feminino.

 

Tipos de acne:

1) Acne neonatal:  é uma afecção semelhante à acne do adolescente. Ocorre em cerca de 20% dos recém-nascidos, mais comum no sexo masculino, nas primeiras semanas de vida. A causa da acne neonatal não é bem definida, mas parece ser resultado do aumento de hormônios maternos, presentes nas primeiras semanas de vida. As lesões surgem na primeira semana de vida, com cravos e espinhas, mais comuns nas bochechas e nariz. Na maioria dos casos não é necessário tratamento, com resolução espontânea até 3 meses de vida. No caso de lesões muito exuberantes ou persistentes, pode ser necessário tratamento. Outras doenças podem simular acne neonatal. Assim, em caso de dúvida o médico dermatologista deve ser consultado.

 

2) Acne vulgar: É a acne que geralmente surge na adolescência, pela produção de hormônios sexuais. Pode ocorrer resolução espontânea por volta dos 20 anos. Mas é cada vez mais frequente a acne na idade adulta, que pode persistir da adolescência ou iniciar tardiamente. Os locais mais comuns de acne são a face e as costas, pois são os locais com maior concentração de glândulas sebáceas. É importante a avaliação do dermatologista e tratamento adequado, pois a acne pode trazer importante impacto psicossocial (como ansiedade, depressão, baixa autoestima) e na qualidade de vida. Além disso, não é raro a acne deixar sequelas como manchas e cicatrizes, quando não tratada precocemente.

 

3) Acne da mulher adulta: é aquela presente na mulher com 25 anos ou mais. Pode começar na adolescência e persistir, ou pode ter início na idade adulta. A lesões são inflamatórias, pápulas e pústulas ("espinhas") e nódulos ("espinha interna") e tem mais chance de causar manchas e cicatrizes. Em geral com poucos comedões ("cravos"). Tem preferência de localização na mandíbula, queixo e pescoço, mas pode aparecer em qualquer lugar do rosto. É uma doença crônica com períodos de melhora e exacerbações, e apresenta maior dificuldade de controle com uso de medicações tópicas. É importante consultar um dermatologista para avaliar a presença de doenças associadas como SOP (síndrome de ovário policístico) e outras doenças que cursam com aumento de hormônios androgênicos. Na maioria dos casos não há nenhuma alteração nos exames, e a acne ocorre por aumento da sensibilidade da glândula sebácea aos hormônios androgênicos. A acne da mulher adulta muitas vezes requer tratamento oral, em geral anticoncepcionais (os com atuação anti-androgênica) ou outras medicações anti-androgênicas.

 

4) Erupção acneiforme: são lesões que parecem acne, porém tem causa diferente. Pode ocorrer por substâncias em contato com a pele ou por meio sistêmico como medicamentos, agrotóxicos, pesticidas. É diferente da acne por vários aspectos como: início súbito, pode ocorrer em qualquer idade, mesmo em pessoas que nunca tiveram acne e regride após afastamento da causa. Além do rosto e costas, pode atingir outras áreas do corpo como braços, glúteos, coxas. Além disso, não encontramos "cravos", apenas "espinhas". As medicações que mais causam essas reações são os corticoides (como prednisona), vitaminas do completo B, anticonvulsivantes, lítio, quimioterápicos. Além das medicações, alguns cosméticos como cremes faciais e protetores solares gordurosos, corticoide tópicos, calor, exposição excessiva ao sol, também podem causar erupção acneiforme. O tratamento pode ser feito quando o quadro é intenso, mas geralmente, ocorre melhora com o afastamento do agente causador.

 

Tratamento da acne

Todo tratamento deve ser indicado pelo dermatologista! As informações abaixo tem papel apenas informativo e não devem ser interpretadas como indicação de tratamento.

 

1) Sabonete: precisa ser adequado para o tipo de pele: oleosa, mista. Além disso, é importante que a lavagem do rosto seja feita com água fria. A água quente estimula uma oleosidade rebote, além disso, a água fria fecha os poros e melhora o controle da oleosidade.

2) Protetor solar: fundamental para todas as pessoas, não é diferente no paciente com acne. No caso dos pacientes com acne, é necessário que o protetor seja oil-free e anti-oleosidade. Há muitas opções, assim, é na consulta que o protetor ideal é indicado.

3) Ácidos: várias opções como tretinoína, ácido glicólico, ácido azeláico, ajudam a manter os folículos desobstruídos e sem acúmulo de sebo. Alguns são usados à noite, outros podem ser usados também durante o dia.

4) Peróxido de benzoíla: é um agente antimicrobiano que diminui a presença de P. acnes nos folículos. Reduz a formação dos comedões (cravos) e tem atividade anti-inflamatória.

5) Antibióticos: em casos mais intensos podem ser usados antibióticos tópicos ou orais, uma vez que diminuem a presença do P. acnes e também tem ação anti-inflamatória.

6) Isotretinoína (Roacutan): a isotretinoína tem sido cada vez mais utilizada. É uma medicação sistêmica derivada da vitamina A. Indicada para a acne mais grave, que pode causar cicatrizes e marcas irreversíveis. A isotretinoína (tem várias marcas, mas a mais conhecida é o Roacutan) age nas glândulas sebáceas e tem poder de curar a acne. É uma medicação muito eficaz, mas precisa de cautela e deve ser utilizada com acompanhamento médico regular, uma vez que pode afetar o fígado, aumentar colesterol e triglicerídeos e causar danos irreversíveis nos fetos (proibido engravidar).

7) Anticoncepcionais: alguns anticoncepcionais podem melhorar a acne, são os que apresentam progestágenos com ação anti-androgênica (contra o hormônio masculino). Para iniciar o tratamento com anticoncepcionais várias informações médicas devem ser avaliadas, mas é uma opção para algumas mulheres.

 

Curiosidades sobre acne

  • Dieta: de maneira geral a alimentação não influencia a atividade sebácea. Entretanto, atualmente sabe-se que alguns alimentos pode agravar a acne como o leite e dieta rica em açúcares. E o chocolate? Muitas pessoas pioram após ingestão de chocolate, porém sabe-se que o cacau não é o culpado, mas sim o leite e o açúcar. Assim, o ideal é ingerir chocolate com maior grau de cacau (como os 70%), ou diminuir a ingestão do chocolate ao leite.

  • Suor: o suor e a secreção de sebo são funções independentes. O que acontece é que a visualização da oleosidade aumenta quando a pele está molhada pelo suor.

  • Temperatura: as alterações de temperatura na pele tem pouca influência sobre a secreção de sebo. Há discreta piora no verão.

  • Radiação Ultravioleta (UV): a exposição exagerada ao sol acelera um processo de defesa (processo de queratinização) o que pode aumentar o número de "cravos". Essa é uma das causas da piora da acne no verão.

 

Isotretinoína (Roacutan)

A isotretinoína é mais conhecida pelo seu nome comercial: ROACUTAN®.

Essa medicação é bem conhecida, principalmente na acne, porém há vários outros usos. A isotretinoína é uma medicação oral, derivada da vitamina A. Seu método de ação principal é diminuição da glândula sebácea (temporária), com menos produção de sebo. Assim, consideramos o roacutan a melhor medicação na acne! Não é toda acne que deve ser tratada com isotretinoína. A medicação está indicada para os casos graves e resistentes ao tratamentos tradicionais. O objetivo é realizar o tratamento precoce para evitar cicatrizes de acne e manchas.

 

Além da ação na glândula sebácea, o Roacutan® também age na camada mais superficial da pele, e assim pode ser usado para outras doenças como foliculites do couro cabeludo, rosácea, hidroadenite supurativa, doenças hereditárias (ictioses e doença de Darier), múltiplos cânceres de pele, entre outras doenças. A isotretinoína é uma medicação fantástica, porém tem muitos efeitos colaterais, causa defeitos catastróficos nos fetos (ou seja é proibido na gestação) e deve ser usada com acompanhamento médico frequente.

Durante o uso da isotretinoína alguns cuidados são importantes:

1) Não ingerir bebida alcoólica e medicações tóxicas para o fígado: o roacutan® pode causar alteração hepática, e pode ser mais importante quando usamos substâncias que também alteram o fígado.

2) Mulheres em idade fértil devem usar dois métodos anticoncepcionais. Não pode engravidar de jeito nenhum, pois causa defeito grave e irreversível no bebê.

3) Durante o tratamento não usar as medicações de acne que usava anteriormente, nem o sabonete, pois a pele fica seca e sensível.

4) Evitar procedimentos, como cirurgias, limpezas de pele, peeling, entre outros.

5) Uso de roacutan® deve ser com alimentos, pois neste caso a absorção é dobrada.

6) Uma vez que atua na glândula sebácea há ressecamento cutâneo. Sempre há ressecamento labial, mas é controlado com hidratantes labiais.

7) Além dos lábios pode haver ressecamento ocular e nasal. Assim, quem usa lente de contato deve ter cuidado redobrado e se possível trocar para uso de óculos durante o tratamento.

8) Exames laboratoriais são solicitados de rotina. O roacutan® pode causar aumento de colesterol e triglicerídeos, alteração do sangue e fígado. Assim, os exames ajudam a monitorar a alteração precocemente. No geral a medicação é muito bem tolerada, quando as orientações são seguidas

acne 1
acne 1

press to zoom
acne 2
acne 2

press to zoom
acne 4
acne 4

press to zoom
acne 1
acne 1

press to zoom